quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Brooke Fraser - Albertine

Na nascente das vossas maiores aspirações!



Em todas as épocas, também nos nossos dias, numerosos jovens sentem o desejo profundo de que as relações entre as pessoas sejam vividas na verdade e na solidariedade. Muitos manifestam a aspiração por construir relacionamentos de amizade autêntica, por conhecer o verdadeiro amor, por fundar uma família unida, por alcançar uma estabilidade pessoal e uma segurança real, que possam garantir um futuro sereno e feliz. Certamente, recordando a minha juventude, sei que estabilidade e segurança não são as questões que ocupam mais a mente dos jovens. Sim, a procura de um posto de trabalho e com ele poder ter uma certeza é um problema grande e urgente, mas ao mesmo tempo a juventude permanece contudo a idade na qual se está em busca da vida maior. Se penso nos meus anos de então: simplesmente não nos queríamos perder na normalidade da vida burguesa. Queríamos o que é grande, novo. Queríamos encontrar a própria vida na sua vastidão e beleza. Certamente, isto dependia também da nossa situação. Durante a ditadura nacional-socialista e durante a guerra nós fomos, por assim dizer, «aprisionados» pelo poder dominante. Por conseguinte, queríamos sair fora para entrar na amplidão das possibilidades do ser homem. Mas penso que, num certo sentido, todas as gerações sentem este impulso de ir além do habitual. Faz parte do ser jovem desejar algo mais do que a vida quotidiana regular de um emprego seguro e sentir o anseio pelo que é realmente grande. Trata-se apenas de um sonho vazio que esvaece quando nos tornamos adultos? Não, o homem é verdadeiramente criado para aquilo que é grande, para o infinito. Qualquer outra coisa é insuficiente. Santo Agostinho tinha razão: o nosso coração está inquieto enquanto não repousar em Ti. O desejo da vida maior é um sinal do facto que foi Ele quem nos criou, de que temos a Sua «marca». Deus é vida, e por isso todas as criaturas tendem para a vida; de maneira única e especial a pessoa humana, feita à imagem de Deus, aspira pelo amor, pela alegria e pela paz. Compreendemos então que é um contra-senso pretender eliminar Deus para fazer viver o homem! Deus é a fonte da vida; eliminá-lo equivale a separar-se desta fonte e, inevitavelmente, a privar-se da plenitude e da alegria: «De facto, sem o Criador a criatura esvaece» (Conc. Ecum. Vat. II, Const. Gaudium et spes, 36). A cultura actual, nalgumas áreas do mundo, sobretudo no Ocidente, tende a excluir Deus, ou a considerar a fé como um facto privado, sem qualquer relevância para a vida social. Mas o conjunto de valores que estão na base da sociedade provém do Evangelho — como o sentido da dignidade da pessoa, da solidariedade, do trabalho e da família — constata-se uma espécie de «eclipse de Deus», uma certa amnésia, ou até uma verdadeira rejeição do Cristianismo e uma negação do tesouro da fé recebida, com o risco de perder a própria identidade profunda.
Por este motivo, queridos amigos, convido-vos a intensificar o vosso caminho de fé em Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Vós sois o futuro da sociedade e da Igreja! Como escrevia o apóstolo Paulo aos cristãos da cidade de Colossos, é vital ter raízes, bases sólidas! E isto é particularmente verdadeiro hoje, quando muitos não têm pontos de referência estáveis para construir a sua vida, tornando-se assim profundamente inseguros. O relativismo difundido, segundo o qual tudo equivale e não existe verdade alguma, nem qualquer ponto de referência absoluto, não gera a verdadeira liberdade, mas instabilidade, desorientação, conformismo às modas do momento. Vós jovens tendes direito de receber das gerações que vos precedem pontos firmes para fazer as vossas opções e construir a vossa vida, do mesmo modo como uma jovem planta precisa de um sólido apoio para que as raízes cresçam, para se tornar depois uma árvore robusta, capaz de dar fruto.

(Papa Bento XVI, Vaticano, 6 de Agosto de 2010, Festa da Transfiguração do Senhor.)

sábado, 15 de outubro de 2011

Beata Chiara Luce - Audio Original de sua voz

Fotos de Beata Chiara Luce Badano











                                               Os pais da Beata Chiara Badano


Funeral Chiara Lubich

Fotos de Chiara Lubich (Fundadora dos Focolares)






                                                     Chiara Lubich





                                          Chiara Lubich e o Beato João Paulo II


                                            Chiara Lubich e D.Hélder Câmara


                                                        Chiara Lubich e o Papa Bento XVI


                                             Chiara Lubich e a Beata Madre Teresa de Calcutá


                                            Chiara Lubich e Roger di Taizè



                                              Falecimento de Chiara Lubich

domingo, 9 de outubro de 2011

Importância da Batina - Parte 3



5ª AJUDA DESINTERESSADA AOS DEMAIS

O povo cristão vê no sacerdote o homem de Deus, que não busca seu bem particular se não o de seus paroquianos. O povo escancara as portas do coração para escutar o padre que é o mesmo para o pobre e para o poderoso. As portas das repartições, dos departamentos, dos escritórios, por mais altas que sejam, se abrem diante das batinas e dos hábitos religiosos. Quem nega a uma monja o pão que pede para seus pobres ou idosos? Tudo isto está tradicionalmente ligado a alguns hábitos. Este prestígio da batina se tem acumulado à base de tempo, de sacrifícios, de abnegação. E agora, se desprendem dela como se se tratasse de um estorvo?

7ª EXEMPLO DE OBEDIÊNCIA AO ESPÍRITO E LEGISLAÇÃO DA IGREJA

Como alguém que tem parte no Santo Sacerdócio de Cristo, o sacerdote deve ser exemplo da humildade, da obediência e da abnegação do Salvador. A batina o ajuda a praticar a pobreza, a humildade no vestiário, a obediência à disciplina da Igreja e o desprezo das coisas do mundo. Vestindo a batina, dificilmente se esquecerá o sacerdote de seu importante papel e sua missão sagrada ou confundirá seu traje e sua vida com a do mundo.

Estas sete excelências da batina poderão ser aumentadas com outras que venham à tua mente, leitor. Porém, sejam quais forem, a batina sempre será o símbolo inconfundível do sacerdócio, porque assim a Igreja, em sua imensa sabedoria, o dispôs e têm dado maravilhosos frutos através dos séculos.
Notas:

- O autor: Padre Jaime Tovar Patrón, coronel capelão, ocupou importantes responsabilidades no Vicariato Castrense. Oriundo de Extremadura, Espanha, foi grande orador sacro. Autor do livro Los curas de la Cruzada, autêntica enciclopédia dos heróicos sacerdote que desenvolveram seu trabalho pastoral entre os combatentes da gloriosa Cruzada de 1936. É, ademais, uma história do sacerdócio castrense. Faleceu em janeiro de 2004.
        
Código de Direito Canônico (1983): Livro II, I Parte, Título III, Capítulo III:
Cân. 284 Os clérigos usem hábito eclesiástico conveniente, de acordo com as normas dadas pela Conferência dos Bispos e com os legítimos costumes locais.
Cân. 285 § 1. Os clérigos se abstenham completamente de tudo o que não convém ao seu estado, de acordo com as prescrições do direito particular.
§ 2. Os clérigos evitem tudo o que, embora não inconveniente, é, no entanto, impróprio ao estado clerical.

Convém recordar: muitos sacerdotes e religiosos mártires pagaram com seu sangue o ódio à fé e à Igreja desencadeado nas terríveis perseguições religiosas dos últimos séculos. Muitos foram assassinados simplesmente por vestirem a batina. O sacerdote que veste a batina é para todos um modelo de coerência com os ideais que professa, à vez que honra o cargo que ocupa na sociedade cristã.

Se bem é certo que o hábito não faz o monge, também é certo que o monge veste hábito e o veste com honra. Que podemos pensar do militar que despreza seu uniforme? O mesmo que do vigário que despreza sua batina!

Padre Agostinho Pretto,interceda a Deus por nós!





Pe. Agostinho Pretto, nascido em 28 de março de 1924, na cidade de Encantado-RS. Filho de Antônio Pretto Sobrinho e Gioconda Sangalli Pretto.


Ordenado pelo Bispo Dom Vicente Scherer, em 30 de novembro de 1953 na Diocese de Porto Alegre-RS.

    1946/1948 – Curso Filosófico no Seminário Central de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul – hoje UNISINOS
    1949 – Experiência de trabalho
    1950/1953 – Curso Teológico no Seminário Central de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul – hoje UNISINOS

Em 1995 - Convidado pelo Arcebispo de Porto Alegre Cardeal D. Vicente Scherer para organizar o movimento de jovens. Fundou a JOC-Juventude Operária Católica e AC-Ação Católica. Em 1963 foi convidado para assumir o Movimento Jocista , como Assistente Eclesiático, no Rio de Janeiro. Viveu a história da Juventude Trabalhadora e da classe Operária do Brasil!


Em 1996 - Assumiu a coordenação de Assistente Latino - Americano, no Brasil.


Em 1970 - Foi perseguido, preso e torturado pelo Regime Militar.
Em 1972 - Assumiu Assistente Nacional Ação Católica Operária hoje Movimento de Trabalhadores Cristãos.


Em 1974 - Organizou a Comissão Pastoral da Terra-CPT e Comissão Pastoral Operária-CPO. Nasce o CEDAC. Ajudou a organizar o Partido dos Trabalhadores.


Em 1992 - Ajudou a fundar a Associação Nacional dos Presbíteros do Brasil e foi eleito o primeiro Presidênte da ANPB, sendo reeleito por mais dois anos.
Desde 1983 até 05/10/2011 - Trabalhou na Diocese de Nova Iguaçu-RJ, foi Vigário Geral e pároco da Catedral Santo Antônio Jacutinga.


Em 2011 - Retornou para a casa do Pai aos seus 87 anos de idade,no dia 06 outubro.


Foi amigo e um grande discipulo do Bispo da Diocese de Nova Iguaçu,D.Adriano Hipólito.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Mucopolissacaridose,uma luta pela vida...

 Mucopolissacaridose ou MPS é um subgrupo das doenças de depósito lisossômicos (DDL) as quais pertencem ao ainda maior grupo de doenças intitulados "Erros Inatos do Metabolismo", configurando-se numa doença metabólica causada por deficiência de enzimas.






 Atualmente os portadores de Mucopolissacaridose só conseguem auxílio por via judicial, ou seja, precisam processar o governo para ter direito a um tratamento que melhora a sua qualidade de vida. O custo mensal ultrapassa os 50 mil reais! Sem serem tratados, os portadores de MPS morrem, ainda na infância.
Você pode ajudar a mudar essa situação, assinando nossa petição por uma lei, semelhante a dos medicamentos para AIDS, que obrigue o governo a subsidiar o tratamento da MPS.
 Não temos tempo a perder. A cada hora, a qualidade de vida de um portador de MPS e da sua família, pioram.
Vamos mostrar ao governo e ao Ministério da Saúde que nos importamos e que exigimos que todos as pessoas tenham oportunidades iguais de saúde e de qualidade de vida.
Assine a petição e em seguida, divulgue essa campanha!



 Faça sua parte,ajude,tenha consciência,esse é o link,só um clique e vc dará um grande passo ao sim da vida http://www.euqueroviver.com.br/?pg=abaixo-assinado .


Cântico das Criaturas

Fotos de São Francisco de Assis