terça-feira, 6 de abril de 2010

Santa Cecília, padroeira dos músicos



Sabe-se pouco sobre a vida de Santa Cecília, que viveu provavelmente durante o império de Alexandre Severo, na Roma pagã. Ela foi martirizada por volta do ano 230; mas o suficiente para torná-la amada e venerada com especial devoção.Ela é exaltada como o modelo mais perfeito – depois de Maria – de mulher cristã. Era assídua à celebração da Eucaristia, presidida pelo Papa Urbano nas catacumbas da via Ápia; à saída, era aguardada por uma multidão de pobres, que conheciam a sua generosidade.Tomada de profundo amor por Deus, prometeu-lhe guardar a virgindade. No entanto, sua família a comprometeu com Valeriano. Não obstante a proximidade do matrimônio, Cecília intercedia constantemente, em especial junto ao seu anjo da guarda, para que também o noivo se convertesse e aceitasse um casamento especial, sem o ato conjugal.No dia das núpcias, enquanto os instrumentos tocavam, ela cantava em seu coração somente para o Senhor e pedia a graça da conversão do esposo. A sós, com o jovem, ela confessou-lhe: “Nenhuma mão humana pode me tocar, pois sou protegida por um anjo. Se você me respeitar, ele amará você, como me ama”. Valeriano converteu-se ao cristianismo: fez-se instruir e batizar pelo Papa Urbano e abraçou o ideal da esposa de virgindade no matrimônio.Naquela época, ser cristão era um “crime”, uma traição a Roma. O cristianismo era considerado uma seita altamente perigosa. Então, quando os cristãos eram descobertos, eram submetidos ao martírio, e isso ocorreu com Cecília e o marido.O martírio de Santa Cecília tem um aspecto todo particular. Houve uma primeira tentativa de asfixia, depois, foi condenada à decapitação. Tendo recebido três golpes de machado, sua cabeça não se desprendeu. Ela havia pedido a Deus a graça de não morrer sem antes receber os sacramentos das mãos do Papa Urbano, e alcançou essa graça. Assim, morreu três dias após os ferimentos do machado. Enquanto pôde, cantou a glória do Senhor; depois que a voz sumiu, expressou sua fé no Deus Uno e Trino com os dedos.Pela alusão à canção do coração no matrimônio e ao louvor explícito durante o martírio, Santa Cecília foi sendo associada à música, até que no século XV foi proclamada padroeira da música. Ela é invocada por ministros de música. Mas não apenas por eles, pois os músicos seculares também têm certa proximidade com ela, como exemplo, é possível citar os "Cecilian Festivals" na Inglaterra, assim como a antiga revista americana "Caecilia" e os contemporâneos conservatórios, universidades, orquestras, bandas e corais que levam seu nome, bem como a conhecidíssima Academia Santa Cecilia da Itália.Assim, a cada ano, no dia 22 de novembro, a Igreja celebra a festa desta grande santa, virgem e mártir, padroeira da música.Em Roma é bastante visitada a catacumba de São Calixto, onde está sepultada essa grande serva de Deus. As catacumbas são testemunhas vivas de como os primeiros fiéis viviam o cristianismo e de como encaravam a morte, num período em que a conversão significava candidatar-se à morte.Na parede esquerda do local, na parte de baixo, abre-se um grande nicho no qual está colocado o sarcófago que abriga o corpo de Cecília. A estátua ali colocada para veneração dos fiéis é uma cópia da célebre estátua de Stefano Maderno (1566-1636), esculpida em 1599. Nela, o artista ressalta o corte produzido pelo machado e a posição dos dedos: três abertos na mão direita – professando a fé no Deus Trino – e um dedo aberto na mão esquerda – a fé no Deus Uno.

Fonte: Revista Shalom Maná

Nenhum comentário:

Postar um comentário